Artigo original: http://www.fulcrum7.com/blog/2020/3/24/all-hail de 24 de março de 2020. Tradução: Google

Aqui estamos. Houve um pré 11 de setembro e um pós 11 de setembro. Havia um pré e um pós Chernobyl. Houve um antes e um depois com referência às revelações de Snowden. Haverá um pré e um pós-2020 COVID-19.

O vírus ainda está conosco, e as primeiras reações governamentais estão no balde. Eles são notáveis. A economia está sendo eviscerada.

Não estou criticando as intenções dos atores estatais. Por enquanto, vou assumir que esses não sejam malévolos. Mas há consequências para nossas visões de mundo. A remoção de Deus para a periferia da vida em uma América cada vez mais secular significou a ascensão de um certo tipo de pensamento muito mais perigoso que o vírus. Esse ponto de vista sustenta que os humanos não estão realmente caídos; não há moralidade mais alta do que nós. Como não há nada mais alto que o homem, o homem deve dirigir seu próprio mundo. Somos criaturas iluminadas, evoluídas a partir de ancestrais primitivos. O caminho a seguir é mais ciência e tecnologia, mais controle de cima.

Não acima do céu, mas acima do estado.

Para o bem maior da sociedade, o Estado nos dirá o que fazer. Ele interromperá a economia, limitará a montagem e, sem dúvida, quando uma vacinação para COVID-19 se tornar disponível, tornará obrigatório o recebimento dessa vacina. A imagem de ouro de Nabucodonosor em Daniel três não terá nada na imagem mascarada pela polícia de 2020.

Enquanto isso, nossos líderes da igreja estão trabalhando em oração para discernir a melhor abordagem para nós. Não seria difícil tomar decisões que seriam prejudiciais à forma como os adventistas do sétimo dia são percebidos na cultura mais ampla. Fomos profeticamente advertidos de que, à medida que as condições pioram por causa da maldade e do pecado, a busca por bodes expiatórios continuará. Por fim, os adventistas do sétimo dia serão incluídos nesse papel, mas não devemos facilitar isso.

Satanás é adepto de estimular o sentimento da multidão. Toda a prática que ele adquiriu desde a cruz antecipou incitar a multidão contra aqueles que guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. Estamos inevitavelmente na mira dele.

Ao mesmo tempo, Deus está de olho em sua igreja remanescente. Se andarmos perto dele, Ele nos guiará.

Nós precisaremos disso.

Os confortos com os quais nos acostumamos agora podem ser removidos. E talvez mais.

Aqueles que já aceitaram o canto da sereia do secular que diz que somos os não caídos, a menos que mudem de perspectiva, serão perdidos para a causa. Em todo comando governamental eles se curvarão. Cada nova diretiva de estado será adotada até que eles estejam profundamente envolvidos na armadilha. Satanás entende: metade da batalha é treinamento e hábito.

Somos completamente treinados para confiar no estado. O estado nos envia nossos cheques; garante que os bancos os descontem; inspeciona nossa comida; nos radia no aeroporto (para nossa segurança); licencia as ondas aéreas; regula armas de fogo; nos diz quando enviar nossos filhos para suas escolas e quando não; decide quando estamos sendo bons pais e quando nossos filhos devem ser removidos de nós; nos diz se podemos viajar ou não e qual o tamanho dos grupos nos quais podemos ou não podemos nos encontrar. Todos saudam.

A linguagem usada sobre esta pandemia é apocalíptica. Ele está sendo apresentado como a maior emergência social desde a Segunda Guerra Mundial. Dizem-nos que todos terão que sacrificar para um bem maior.

Muitos de nós estão prontos para fazer exatamente isso. Mas o bem maior nem sempre é servido fazendo o que as autoridades exigem.

Imagine um dia em que você não poderá comprar mantimentos em uma loja, a menos que esteja usando uma pulseira que comprove que foi vacinado. É para onde estamos indo. A recusa em ser vacinado será vista como traição da sociedade.

Alguns medos de vacinação podem ser exagerados. A questão maior é a autoridade final. Estamos prontos para aceitar a autoridade do Estado quando torna a vacinação obrigatória? Lembre-se, será “para o bem maior”. Este é o próprio argumento que enfrentaremos no final da cadeia: para o bem da sociedade, não devemos resistir a uma lei pela observância do domingo.

Imagine daqui a alguns meses, quando ninguém poderá reunir mais de 50 pessoas, a menos que possuam uma pulseira que comprove que foram vacinadas. Sem exceções. Os pastores não podem ser autorizados pelo Estado a pregar em suas igrejas sem fornecer essa prova. Improvável? Temos nossas proteções constitucionais, certo? Mas então nos lembramos de cidadãos americanos fiéis de ascendência japonesa nos EUA continentais na Segunda Guerra Mundial. Você sabe, aqueles que tiveram que vender instantaneamente seus negócios por centavos por dólar e depois se reportam a campos de internamento.

Estamos passando por um condicionamento total “sim senhor” em relação ao governo? Recusemos inculcar o medo; mas é aconselhável incentivar a atenção.

 

Quando nossos testes chegarem, eles parecerão tão razoáveis. Queremos salvar nossos amados idosos e nossos filhos! Somente um narcisista manteria seus direitos acima da necessidade urgente de impedir a sociedade de entrar em colapso.

Para assustar as pessoas, você precisa da alavanca certa. O resfriamento global não fez isso, então o aquecimento global não teve sucesso. Os problemas da imigração provocaram alguns, mas não nos levaram à decisão da sociedade. Existe uma enorme desconfiança do governo e da mídia e por boas razões.

Mas retirar todos os pinos da economia global concentrou a atenção de todos. Quando você deixa um homem desempregado, recebe a atenção dele.

Na visão secular do mundo, o estado é essencial. É o árbitro da realidade. As pessoas devem ser carimbadas, reunidas ou colhidas conforme necessário. Em tempos de emergência, aqueles que adotam visões muito seculares verão a resistência consciente, a livre expressão ou o pensamento contrário, como lembretes irritantes de visões anteriores da liberdade do cidadão. Agora queremos nossa segurança. Não do Deus do céu, mas do estado como deus.

É interessante o que não devemos fazer agora. Não devemos nos reunir em grupos. Em vez disso, devemos evitar um ao outro e ouvir as diretrizes e especialistas governamentais para nos dizer o que fazer.

Haverá uma reversão, é claro. Chegará um momento em que tudo o que é secular perde seu brilho, e haverá uma repentina repentina religiosidade em toda a cultura. Mas quando esse dia chegar, será depois que o Estado tiver adquirido todas as ferramentas necessárias para trazer uma força avassaladora ao cumprimento de suas diretrizes.

Por enquanto, existem soluções paliativas. Podemos aproximar as reuniões da igreja em plataformas proprietárias online. Mas manter a coesão do grupo em grupos on-line a longo prazo é uma proposição duvidosa. Devemos tomar cuidado para não nos tornarmos dependentes de meios de comunicação que estão fora de nosso controle. Isso não é robusto. Devemos começar a pensar rápida e cuidadosamente sobre como podemos fortalecer as conexões entre eles em um futuro próximo. Será necessário em um momento em que seja necessário extrair força da frieza dos outros.

O vírus é real. Mas, quer as intenções dos líderes do governo sejam boas ou más, será o vetor de uma terrível infecção do poder do Estado sobre nós.

Deus ainda está em seu trono e não nos abandonou. Mas Ele nos equipou com intelecto e habilidade. Somos responsáveis ​​por tê-Lo como nosso guia. Nós podemos confiar em Jesus. Mas Ele quer que combinemos com Ele na oração e na atividade do reino. Nada deve impedir-nos de dar toda a nossa lealdade ao reino de Jesus nesta hora. Se Jesus é nossa âncora, nossa âncora se sustentará.

Jesus é sua âncora?

—–

Larry Kirkpatrick é ministro adventista do sétimo dia desde 1994. Ele também opera o site GreatControversy.org e serve como anfitrião do webcast “Os movimentos finais”. Atualmente, ele serve às igrejas de Muskegon e Fremont na Conferência de Michigan.

WhatsApp chat