O executivo lançou, há alguns dias, o projeto de lei (texto completo abaixo) que visa regulamentar a educação domiciliar no Brasil. Chega em momento oportuno, poucos meses após o STF ter negado a uma família adventista ensinar sua filha em casa

Se trata de uma vitória importante. Damos graças a Deus por isso e damos graças a família Bolsonaro. Este projeto de lei, para valer, ainda precisa ser aprovado pelo legislativo.

Traz, porém, em sua esteira, alguns requisitos que são preocupantes, como a obrigatoriedade de carteira de vacinação atualizada. Há pais conscienciosos que preferem não aplicar vacinas, ouça esta palestra do MV sobre o assunto.

Outra coisa: a cada ano será necessário participar de provas, a partir do segundo ano do fundamental. Isso leva à necessidade de alfabetização precoce, especialmente para meninos. Segundo Joshua White, a idade de alfabetização deve ser de 8 para meninas e 10 para meninos. Ver vídeo legendado ou com tradução ao vivo, mais comprido.

O artigo 10 diz que o ensino deve ser “conforme as diretrizes nacionais curriculares.” Existe razão para preocupação aqui também, visto que há matérias com conteúdo proibido pela profetisa Ellen G. White, como a leitura de escritores incrédulos. Matérias de evolucionismo e biologia, e muitas coisas não-essenciais nas demais matérias. Diz a serva do Senhor: “Então, não se perca mais tempo demorando nas muitas coisas não essenciais e que não têm importância quanto às presentes necessidades do povo de Deus. Não se perca mais tempo em exaltar homens que não conhecem a verdade, ‘pois o tempo está às portas'” T6 130.1. Ela tem mais a dizer sobre o “molde dos mestres do mundo”, “livros que não levam a Deus”. 

Foi pensando nisso que está para ser lançado, pela família Matias (conheça aqui, áudio) a plataforma Educação Domiciliar Adventista (EDA). A família Matias opera uma escola particular no Rio de Janeiro há anos. O serviço pago oferecerá apoio a pais que matricularem seus filhos na rede pública de educação domiciliar. A filosofia é a da “verdadeira educação”, amplamente tematizada no MV e explanada neste e-book Estudos em Educação Cristã, de Sutherland.

PROJETO DE LEI conforme consta em http://estaticog1.globo.com/2019/04/11/PLEDUCAODOMICILIAR.pdf

Dispõe sobre o exercício do direito à educação domiciliar, altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1º Esta Lei dispõe sobre o exercício do direito à educação domiciliar no âmbito da educação básica.

§ 1º A educação domiciliar consiste no regime de ensino de crianças e adolescentes, dirigido pelos próprios pais ou pelos responsáveis legais.

§ 2º A educação domiciliar visa ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho, nos termos do disposto no art. 205 da Constituição.

Art. 2º Os pais ou os responsáveis legais têm prioridade de direito na escolha do tipo de instrução que será ministrada a seus filhos.

§ 1º É plena a liberdade de opção dos pais ou dos responsáveis legais entre a educação escolar e a educação domiciliar, nos termos do disposto nesta Lei.

§ 2º É dever dos pais ou dos responsáveis legais que optarem pela educação domiciliar assegurar a convivência familiar e comunitária, nos termos do disposto no caput do art. 227 da Constituição e no caput do art. 4º da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente.

Art. 3º Fica assegurada a isonomia de direitos entre os estudantes em educação escolar e os estudantes em educação domiciliar.

§ 1º A isonomia estende-se aos pais ou aos responsáveis legais dos estudantes em educação domiciliar, no que couber.

§ 2º Fica assegurada aos estudantes em educação domiciliar a participação em concursos, competições, avaliações nacionais instituídas pelo Ministério da Educação, avaliações internacionais, eventos pedagógicos, esportivos e culturais, incluídos àqueles em que for exigida a comprovação de matrícula na educação escolar como requisito para a participação.

§ 3º O acesso de que trata o § 2º é condicionado à formalização da opção pela educação domiciliar nos termos do disposto no art.

4º. Art. 4º A opção pela educação domiciliar será efetuada pelos pais ou pelos responsáveis legais do estudante, formalmente, por meio de plataforma virtual do Ministério da Educação, em que constará, no mínimo: I – documentação de identificação do estudante, na qual conste informação sobre filiação ou responsabilidade legal; II – documentação comprobatória de residência; III – termo de responsabilização pela opção de educação domiciliar assinado pelos pais ou pelos responsáveis legais; IV – certidões criminais da Justiça Federal e da Justiça Estadual ou Distrital; V – plano pedagógico individual, proposto pelos pais ou pelos responsáveis legais; e VI – caderneta de vacinação atualizada.

§ 1º O período regular de cadastro será preferencialmente de dezembro a fevereiro.

§ 2º O processo de cadastramento observará regulamento específico, observados os critérios mínimos de apresentação do plano pedagógico individual.

§ 3º A conclusão do processo de cadastramento, após análise e aprovação do Ministério da Educação, gerará para o estudante uma matrícula que comprovará, para todos os efeitos, a opção pela educação domiciliar.

§ 4º O cadastro na plataforma virtual de que trata o caput será renovado anualmente pelos pais ou pelos responsáveis legais, com a inclusão do plano pedagógico individual correspondente ao novo ano letivo e dos demais documentos que forem necessários.

§ 5º O Ministério da Educação disponibilizará dados referentes à educação domiciliar aos órgãos competentes, conforme regulamento.

§ 6º O Ministério da Educação disponibilizará a plataforma virtual de que trata o caput no prazo de até cento e cinquenta dias, contado da data de publicação desta Lei.

§ 7º Enquanto não estiver disponível a plataforma virtual para a realização do cadastro, as famílias terão assegurado o seu direito de exercer a educação domiciliar.

Art. 5º Os pais ou os responsáveis legais que optarem pela educação domiciliar manterão registro periódico das atividades pedagógicas do estudante. Parágrafo único. O registro será realizado conforme ato do Ministério da Educação e fará parte da supervisão da educação domiciliar.

Art. 6º O estudante matriculado em educação domiciliar será submetido, para fins de certificação da aprendizagem, a uma avaliação anual sob a gestão do Ministério da Educação.

§ 1º A certificação da aprendizagem terá como base os conteúdos referentes ao ano escolar correspondente à idade do estudante, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular, com possibilidade de avanço nos cursos e nas séries, nos termos do disposto na Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

§ 2º As avaliações anuais serão aplicadas a partir do 2º ano do ensino fundamental, preferencialmente no mês de outubro. § 3º Na hipótese de não comparecimento do estudante à avaliação, os pais ou os responsáveis legais justificarão a ausência.

§ 4º Para as hipóteses de ausência justificada, a avaliação será reaplicada em data definida em ato pelo Ministério da Educação.

Art. 7º Na hipótese de o desempenho do estudante na avaliação de que trata o art. 6º ser considerado insatisfatório, será oferecida uma prova de recuperação.

§ 1º A prova de recuperação será aplicada em data a ser definida em ato pelo Ministério da Educação.

§ 2º Na hipótese de não comparecimento do estudante à prova de recuperação, os pais ou os responsáveis legais justificarão a ausência. § 3º Para as hipóteses de ausência justificada, a prova de recuperação será reaplicada em data a ser definida em ato pelo Ministério da Educação.

Art. 8º O Ministério da Educação apresentará calendário de aplicação das avaliações de que tratam os art. 6º e art. 7º.

Art. 9º O Ministério da Educação regulará a cobrança de taxa para fins de custeio das avaliações e estabelecerá as hipóteses de isenção de pagamento.

Art. 10. Caberá aos pais ou aos responsáveis legais, durante o processo de ensino e de aprendizagem, monitorar de forma permanente o desenvolvimento do estudante, conforme as diretrizes nacionais curriculares.

Art. 11. É facultado às instituições públicas e privadas, escolhidas pelos pais ou pelos responsáveis legais, oferecer ao estudante em educação domiciliar avaliações formativas ao longo do ano letivo.

Art. 12. Fica vedada a educação domiciliar nas hipóteses em que o responsável legal direto estiver cumprindo pena pelos crimes previstos: I – na Lei nº 8.069, de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente; II – na Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006; III – no Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal; IV – na Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006; ou V – na Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990.

Art. 13. Os pais ou os responsáveis legais perderão o exercício do direito à opção pela educação domiciliar nas seguintes hipóteses: I – quando o estudante for reprovado, em dois anos consecutivos, nas avaliações anuais e nas provas de recuperação; II – quando o estudante for reprovado, em três anos não consecutivos, nas avaliações anuais e nas recuperações; III – quando o aluno injustificadamente não comparecer à avaliação anual de que trata o art. 6º; ou IV – enquanto não for renovado o cadastramento anual na plataforma virtual, nos termos do disposto no art. 4º.

Art. 14. A Lei nº 9.394, de 1996, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 5º ………………………………………………………………………………………….. § 1º ………………………………………………………………………………………………. ………………………………………………………………………………………………………. II – fazer-lhes a chamada pública; e III – zelar, junto aos pais ou aos responsáveis, pela frequência à escola para os estudantes matriculados em regime presencial. ………………………………………………………………………………………………” (NR) “Art. 6º É dever dos pais ou dos responsáveis: I – efetuar matrícula das crianças na educação básica a partir dos quatro anos de idade; ou II – declarar a opção pela educação domiciliar, nos termos da lei.” (NR)

Art. 15. A Lei nº 8.069, de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 55. Os pais ou os responsáveis têm a obrigação de: I – matricular seus filhos ou seus pupilos na rede regular de ensino; ou II – declarar a opção pela educação domiciliar, nos termos da lei.” (NR)

Art. 16. As despesas decorrentes do disposto nesta Lei correrão à conta de dotação orçamentária consignada anualmente ao Ministério da Educação, observados os limites de movimentação, de empenho e de pagamento da programação orçamentária e financeira anual.

Art. 17. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, PL-EDUCAÇÃO DOMICILIAR(L10)

Assine Novidades de Educação Domiciliar Adventista

* indicates required

 


Referências EGW + Completa

Referências EGW + Completa

Onde o livro não existe em português, colocamos a referência em inglês. São 182 referências, a mais completa que existe para o usuário em português.1888 Materiais de 1888 (IAGE) 1BC Bible Commentary, The SDA , Vol. 1 (2BC for Vol. 2, etc.) 1NL Notebook Leaflets, Vol....

Misticismo banhado em Lágrimas – Livro CPB

Misticismo banhado em Lágrimas – Livro CPB

Por Ruben Fernandes, Portugal. John Harvey Kellogg, pioneiro médico adventista que infelizmente se apostatou seguindo ideologias místicas, publicou seu clássico The Living Temple (O Templo Vivo), e este foi fielmente denunciado pela profetisa. Lamentavelmente o livro...

Mais de Cem Bíblias Dizem “te digo hoje”

Mais de Cem Bíblias Dizem “te digo hoje”

Relação das Cento e Trinta e Sete versões da Bíblia onde o "em verdade te digo hoje, estarás comigo no paraíso" está traduzida corretamente. Lucas 23:43 - Versões Corretas by Congresso MV on Scribd

Apostila de Remédios Naturais Agatha Thrash (Uchee Pines)

Apostila de Remédios Naturais Agatha Thrash (Uchee Pines)

Comapilação de tratamentos naturais por ordem alfabética de doenças. A Dra. Agatha Thrash foi a principal médica do Uchee Pines Institute, centro leigo como o Wildwood, na América do Norte. Tradução: Google. Queira desculpar os erros decorrentes da tradução...

Novidades MV Dezembro

Novidades MV Dezembro

Campal de Capitólio http://www.congressomv.org/campal-de-capitolio-2020/ Blog MV http://www.congressomv.org/blog Análise MASCC http://www.congressomv.org/mascc Vídeo Carol Saia/Calça https://www.youtube.com/watch?v=CT_mDMPk0Os Telegram Daniel:...

Campal de Capitólio 2020 – Lançamento

Campal de Capitólio 2020 – Lançamento

A comunidade de Capitólio recebe a família MV em uma nova modalidade: campal a 1.200m de altitude em meio às nascentes das Gerais. Vamos seguir a orientação profética e estudar a Bíblia em grupos. Nos últimos dois dias se o tempo permitir faremos passeios a cachoeiras...

Adolescente Parou de Usar Calça

Adolescente Parou de Usar Calça

Carol deixou a calça com 18 anos e meio. Nesse vídeo ela explica que leu a instrução do Senhor que deve haver "clara distinção" entre o vestuário de ambos os sexos, e qual o comprimento que Deus especificou. 

WhatsApp chat