Artigo do Pastor Henrique Berg – O futebol é algo que atrai e emociona, polariza e apaixona. O jogador domina a bola, faz de conta que vai e não vai, que chuta e não chuta. Engana, dribla, avança, ataca, supera e… E a multidão aplaude, vibra e delira. Aplaude quem? Aquele que melhor soube iludir, enganar, sobrepujar e derrotar. Características de quem são estas? Que posição adotaremos nós, adventistas sinceros que queremos ser, em face de mais um campeonato mundial desse jogo? Alguém nos diz: — “eu não sou apaixonado pelo futebol. Apenas quando o Brasil joga… , sabe, é uma questão de patriotismo”. E a gente fica pensando que sentimento de patriotismo é aquele. Será que o sentimento patriótico terreno deve levar-nos a cultivar o gosto por aquilo que não existe no Céu? O fato de torcermos pelo Brasil não nos levará depois a defender também as cores de uma agremiação local? E não acabará também tornando-nos apaixonados por aquilo que abandonamos por ocasião de nossa conversão?

No livro O Conflito dos Séculos, à página 587 (Na edição atual esta referência se encontra nas págs. 542 e 543 deste livro, que agora conhecemos como O Grande Conflito), lemos de pessoas que, se fossem levadas subitamente para o Céu, sentiriam verdadeira tortura por estar ali. Almejariam fugir daquele lugar. Cultivaram gostos e afeições por coisas que lá não encontram. Não têm prazer de estar no Céu. A psicologia nos diz que tudo o que vemos, ouvimos, saboreamos, etc., transforma-se em desejos, gostos, vontades, inclinações, de maior ou menor intensidade, na proporção do impacto e da repetição com que foram registrados em nosso subconsciente. A soma dos impulsos gerados por esses gostos e vontades, que brotam de nosso íntimo, acaba por determinar o nosso caráter e o nosso destino.

Não podemos pretender o Céu enquanto implantamos em nossa natureza o fintar, iludir, competir, derrotar. Vaiar o que caiu e aplaudir o autor dessas façanhas são princípios de outro soberano. Dentro de algumas semanas mais, quando em todas as ruas e em todas as esquinas os locutores se fizerem ouvir irradiando os lances dramáticos das jogadas, e no ar poluído de fumaça ecoar o pipocar dos foguetes, que efeito educativo permitiremos que esse campeonato exerça sobre nós? Render-nos-emos às suas emoções para finalmente descobrir que nos inabilitamos para o Céu? Ou faremos dele um ponto de prova para testar se já nos educamos o suficiente a ponto de não sentir mais atrações por ele? Sabem, deixar do futebol é tão difícil como deixar de fumar ou de beber. É preciso muita concentração nas coisas de Deus. Muita perseverança, muita oração. É preciso cair de joelhos e suplicar que Deus mude a natureza, os gostos, as vontades. É preciso nascer de novo. Quando isto acontece, o futebol deixa de ser enfeitiçante atração. O coração não tem mais prazer nele. O gol da vitória foi marcado.

Pastor Henrique Berg – Então presidente da Associação Paranaense quando escreveu este artigo – Revista Adventista, pág. 16, Maio de 1978

Textos inspirados sobre os Esportes

EGW “Alguns dos mais populares divertimentos, tais como o futebol e o boxe, se têm tornado escolas de brutalidade. Estão desenvolvendo os mesmos característicos que desenvolviam os jogos na antiga Roma. O amor ao domínio, o orgulho da mera força bruta, o descaso da vida, estão exercendo sobre a mocidade um poder desmoralizador que nos aterra. 
Outros jogos atléticos, embora não tão embrutecedores, são pouco menos reprováveis, por causa do excesso com que são praticados. Estimulam o amor ao prazer e à excitação, alimentando assim o desprazer pelo trabalho útil, a disposição de evitar os deveres práticos e as responsabilidades. Tendem a destruir a graça pelas sóbrias realidades da vida e seus prazeres tranqüilos. Desta maneira, abre-se a porta para a dissipação e desregramento, com os seus terríveis resultados.” – {Ed 210.4}

EGW “Apelo aos estudantes em nossas escolas a que sejam sóbrios. A frivolidade da juventude não é agradável a Deus. Seus esportes e jogos abrem a porta a um dilúvio de tentações.” CE 233.3

EGW “Quanto tempo é gasto por seres humanos inteligentes em corridas de cavalo, partidas de críquete e jogos de bola! Mas acaso a satisfação nesses esportes dá aos homens o desejo de conhecer a verdade e a justiça? Mantêm a Deus em seus pensamentos? Levá-los-á a indagar: Como vai com a minha alma?” – {CP 456.1}

EGW “Se em nossas escolas a terra fosse cultivada com mais fidelidade, e os edifícios mais desinteressadamente cuidados pelos alunos, o amor pelos esportes e diversões, que ocasiona tanta perplexidade em nossa obra educacional, se dissiparia.” – {FEC 512.4}

EGW “A opinião geral é que o trabalho manual seja degradante; todavia, os homens se exercitam tanto quanto lhes apraz nos jogos com bola ou em competições pugilísticas, sem serem olhados como pessoas que se degradam. Satanás deleita-se quando vê seres humanos empregando as faculdades físicas e mentais naquilo que não educa, não tem utilidade, não os ajuda a ser uma bênção aos que necessitam de seu auxílio. Enquanto os jovens se tornam hábeis em jogos destituídos de valor para eles e para os outros, Satanás joga a partida da vida por sua alma, tirando-lhes os talentos dados por Deus e substituindo-os por seus próprios atributos maus. É sua tentativa levar os homens a passarem por alto a Deus. Busca ocupar-lhes e absorver-lhes tão completamente a mente, que o Senhor não encontre lugar em seus pensamentos. Não quer que o povo conheça a seu Criador, e fica bem satisfeito se pode pôr em funcionamento jogos e representações teatrais que por tal forma confundam os sentidos dos jovens para que Deus e o Céu sejam esquecidos.” – {MJ 213.2}

Doug Batchelor encabeça protesto criativo

Doug Batchelor encabeça protesto criativo

Nossa igreja na Califórnia encontrou uma maneira criativa de se reunir com segurança no sábado, sem violar as proibições do estado, em reuniões da igreja. Ainda temos permissão para nos reunir e protestar na Califórnia, então ... PROTESTANDO CONTRA O DIABO! (original...

A Jornada de Jones e Waggoner

A Jornada de Jones e Waggoner

A Mensagem de 1888. Lições da História. Será que os Jones e Waggoner se afastaram da fé adventista por seus ensinos excêntricos, como a nova teologia dá a entender? Lucas Bem é historiador e vive em Marília–SP congressomv · Lucas Bem - A Jornada de Jones e...

Erratas EGW CPB

Erratas EGW CPB

Adulteraram EGW? Nada indica que houve alterações significativas nos escritos de EGW no inglês. Pois eles foram sendo publicados enquanto ela vivia e se tivessem mudado algo após sua morte, teria havido um grito de alerta geral, pois muitos adventistas são bem...

WhatsApp chat