Originalmente publicado em 23 de janeiro de 2020. Tradução: Google.

Citação dos tempos:

“Não importa o motivo que eles dêem à guerra, o verdadeiro motivo é sempre econômico.” AJP Taylor, historiador britânico.

O estado atual das coisas, na arena internacional, precisa de algum contexto histórico para ser totalmente compreendido. Muitas de nossas políticas políticas, econômicas e militares atuais são determinadas por preocupações geopolíticas de longa data, desempenhadas historicamente pela Grã-Bretanha e pela Rússia e hoje pela América e pela Rússia.

Geopolítica é o reconhecimento de como a geografia determina políticas políticas, econômicas e militares que diferentes países buscam. Por exemplo, o continente euro-asiático (Europa e Ásia combinados) é a maior massa terrestre do nosso planeta. É essa massa de terra que contém aproximadamente 70% dos recursos comprovados do mundo. A maior nação que ocupa a massa da Eurásia é a Rússia. Portanto, a Rússia, simplesmente por causa de onde está e o que é, entra em foco para muitas outras nações do mundo.

Se a Rússia é a maior nação, a maior massa de terra e os maiores recursos, por que a Rússia não se tornou a maior superpotência do mundo centenas de anos atrás? Resposta: porque, na Grã-Bretanha, trabalhou assiduamente para evitá-lo. Por que a Grã-Bretanha trabalhou tanto para impedir a ascensão da Rússia? Resposta: porque foi uma batalha entre Sea Power (poder marítimo) e Land Power (poder terrestre). E o Sea Power (Grã-Bretanha) venceu a maioria das batalhas contra o Land Power (Rússia) – mas a guerra não acabou – e continua hoje – mas agora está entre os EUA e a Rússia.

Durante séculos e até milênios, o comércio entre povos e nações foi realizado pela água (a maioria das grandes cidades começou como postos de comércio em rios e lagos). Eventualmente, o Império Britânico passou a dominar o comércio mundial por via marítima e foi esse poder marítimo que foi a fonte direta de sua grande riqueza.

Portanto, havia duas principais ameaças ao monopólio comercial britânico. A primeira ameaça foi o surgimento de outra potência marítima. E o pior pesadelo para os britânicos foi o surgimento da Rússia como uma potência marítima rival. Isso ocorre porque a Rússia tinha um enorme interior (cheio de recursos) e, se se tornasse uma potência marítima, poderia exportar esses recursos para todo o mundo.

Os russos, é claro, tentaram se tornar uma potência marítima, mas o problema era que eles não tinham portos de água quente. [Exceto pelo Mar Negro, mas o Mar Negro é basicamente sem litoral. O Mar Negro era apenas uma boa opção se a Rússia controlasse as passagens estreitas (Estreito de Bósforo e Dardanelos) para o Mar Mediterrâneo].

Então, a Grã-Bretanha fez questão de garantir que a Rússia nunca tivesse um porto de água quente. Por exemplo, quando a Rússia se lançou ao sul para tentar capturar esses estreitos estratégicos (Bósforo e Dardanelos), a Grã-Bretanha declarou guerra e, com seus aliados franceses e turcos, derrotou a Rússia na Guerra da Crimeia (1853-1856).

Outro exemplo da interferência britânica é quando os russos conseguiram lutar em um porto de águas profundas e quentes, dos chineses na costa leste do Pacífico (Port Arthur). Os britânicos reagiram, incentivando o militarismo japonês e treinando sua marinha. Isso resultou em guerra com a Rússia, e a marinha japonesa explodiu a marinha russa na água na batalha de Tsushima (1905). [Os japoneses cercaram Port Arthur e o capturaram no início do mesmo ano]. Existem muitos outros casos de ação secreta e pública britânica para frustrar as ambições russas (mesmo quando a Rússia se aliou à Grã-Bretanha, contra ameaças mútuas, como a Alemanha na Primeira e na Segunda Guerra Mundial).

A outra ameaça ao monopólio comercial britânico era a criação de rotas terrestres de comércio, que contornariam o controle britânico. Por centenas e até milhares de anos, existia a lendária rota comercial “Rota da Seda”, atravessando a massa terrestre da Eurásia da China à Europa. Essa rota foi basicamente destruída quando a Grã-Bretanha garantiu direitos comerciais dos chineses por meio de guerra (as Guerras do Ópio, 1839-42 e 1856-60). Depois de subjugar os chineses, a Grã-Bretanha conseguiu transportar mercadorias chinesas para a Europa (e para outros lugares) muito mais baratas por mar, daí o inevitável desaparecimento da Rota da Seda.

Sempre era mais barato transportar pessoas e mercadorias por via marítima, mas então o motor a vapor foi inventado e as ferrovias começaram a ser construídas. Com o advento das ferrovias, foi possível construir rotas comerciais de conexão sobre a terra. A Grã-Bretanha não se opôs ao desenvolvimento de sistemas ferroviários. Em geral, o monopólio comercial da Grã-Bretanha se beneficiava da construção de sistemas ferroviários, porque agora as mercadorias podiam ser transportadas mais baratas do interior de todo o mundo, para portos costeiros, onde podiam ser carregados em navios britânicos.

No entanto, havia um lugar em que a Grã-Bretanha era muito sensível sobre a construção de ferrovias, e era essa ferrovia que ligava a Europa à Ásia. Por exemplo, uma das principais causas da Primeira Guerra Mundial foi a proposta alemã de construir uma ferrovia de Berlim a Bagdá. Os britânicos se opuseram a isso porque, o objetivo da ferrovia, era para que a Alemanha pudesse estabelecer um porto no Golfo Pérsico e, assim, contornar o Canal de Suez e, portanto, negociar com o Oriente e a África, e evitar o controle britânico.

A Grã-Bretanha tinha muitos rivais, mas sempre foi na Rússia que a Grã-Bretanha estava mais preocupada. Preocupações da Grã-Bretanha sobre a Rússia chegou a um passo de febre na 19 ª século, quando a maioria da Europa esperava que as duas nações para chegar a um confronto final, foi durante este século que o termo ‘Grande Jogo’ foi cunhado para descrever a rivalidade entre os dois nações:

No último quartel do século XIX, era uma suposição comum na Europa que a próxima grande guerra – a guerra inevitável – seria o confronto final entre a Grã-Bretanha e a Rússia. David Fromkin, art. Revista de Negócios Estrangeiros ‘The Great Game’, primavera de 1980.

Embora a Grã-Bretanha tenha emergido das duas Guerras Mundiais no lado vencedor, as duas guerras a prejudicaram financeiramente. Nos anos seguintes, perdeu a maior parte de seu império, perdeu o monopólio comercial e perdeu a capacidade de interferir no desenvolvimento de outras nações. Esse papel passou agora para o novo garoto da quadra, os Estados Unidos da América.

Parte 2:

Citações dos Tempos:

“Os anos 20 em fúria começaram com um estrondo com o assassinato do general Qasem Soleimani, do Irã. No entanto, um grande estrondo nos espera ao longo da década: as inúmeras declinações do Novo Grande Jogo na Eurásia, que coloca os EUA contra a Rússia, China e Irã, os três principais nós da integração da Eurásia. Todo ato de mudança de jogo em geopolítica e geoeconomia na próxima década terá que ser analisado em conexão com esse confronto épico. ” Pepe Escobar, jornalista e especialista em geopolítica.

“Para a América, o principal prêmio geopolítico é a Eurásia…” Zbigniew Brzezinski, (ex-consultor de Barack Obama), The Grand Chessboard (O Grande Tabuleiro), p.30.

“Estamos lutando contra os russos por lá (Ucrânia), então não temos que combatê-los aqui.” Adam Schiff, julgamento de impeachment de Donald Trump, 24 de janeiro de 2020.

Quando Donald Trump, durante sua campanha de 2016 para o presidente, disse: “Quero normalizar as relações com a Rússia”, o inferno começou.

Há muitas razões pelas quais Donald Trump não gosta e até odeia, mas uma das principais razões para a histeria anti-Trump é porque, quando ele disse: “Quero normalizar as relações com a Rússia” – indicou que ele não era um imperialista. E seu slogan “Tornar a América novamente grande” deixou claro que ele era o oposto de um imperialista – ele era nacionalista. Isso não se encaixou bem com a facção dominante na América, os neoconservadores (neoconservadores).

Os neoconservadores são imperialistas / globalistas e se opõem a qualquer um ou nação que resista a suas ambições imperiais / globalistas. A nação que é mais ativa na oposição aos neoconservadores é a Rússia. A nação que é mais ativa na organização da resistência mundial aos neoconservadores é a Rússia. Portanto, os neoconservadores odeiam a Rússia – qualquer aproximação com a Rússia deve ser resistida – portanto, a farsa do “Portão da Rússia” foi inventada para destruir qualquer normalização das relações com a Rússia.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a América e a Rússia (então União Soviética) eram aliadas. Mas assim que a guerra quente (Segunda Guerra Mundial) terminou, a Guerra Fria começou. A estratégia americana para derrotar o comunismo baseava-se em conter a influência soviética. Para esse fim, um amplo arco de bases militares americanas foi construído em toda a periferia da massa terrestre da Eurásia, em um esforço para conter o expansionismo soviético. Grandes guerras foram travadas (Guerra da Coréia, Guerra do Vietnã) e, além disso, inúmeras guerras por procuração foram travadas em todo o mundo. Os combatentes da liberdade de um lado eram os terroristas do outro lado e vice-versa.

A União Soviética entrou em colapso em 1991. O problema com a União Soviética era que ela não podia competir com os Estados Unidos econômica e financeiramente. Os Estados Unidos tinham uma enorme vantagem econômica sobre a União Soviética. Assim como a Grã-Bretanha dominou o comércio mundial quando era império, o mesmo acontece com os Estados Unidos. Assim como esse monopólio comercial gerou uma enorme riqueza para os britânicos, o monopólio americano também gera uma enorme riqueza para a América. Os britânicos carregavam o comércio mundial em seus navios, os EUA ‘carregam’ o comércio mundial pelo dólar.

O dólar americano é a moeda de reserva mundial. Isso significa que todas as nações precisam ganhar dólares americanos antes de poderem negociar. Isso cria uma enorme demanda por dólares americanos. Portanto, a América pode imprimir quantos dólares quiser, além das necessidades de sua própria economia. Os Estados Unidos venceram a Guerra Fria superando a União Soviética.

A queda da União Soviética criou um vácuo de poder na arena internacional. Os neoconservadores ficaram ocupados escrevendo relatórios proclamando que o próximo século seria o século da América. De acordo com os neoconservadores, a queda da União Soviética, foi a chance dos Estados Unidos de dominar o mundo – ser o hegemon do mundo – de criar um mundo unipolar com os Estados Unidos no centro. Os neoconservadores chegaram ao poder com a eleição de George Bush II, em 2000, e após o choque do 11 de setembro, eles tiveram a desculpa de que precisavam para ativar o que passou a ser chamado de Doutrina Wolfowitz (em homenagem a Paul Wolfowitz, um dos principais teóricos neo-contras).

A Doutrina Wolfowitz é baseada no ‘Domínio de Espectro Total’ (domínio de terra, mar, ar e espaço sideral). O domínio sobre todas essas áreas era necessário porque a prancha central da Doutrina Wolfowitz é criar um mundo unipolar. Essa doutrina exigia ação, para impedir que qualquer outra nação, nesta terra, chegasse a uma posição de poder, pela qual pudesse desafiar o domínio e a hegemonia americanos. Infelizmente para os neoconservadores, foi exatamente isso que aconteceu – a Rússia se ergueu das ruínas da União Soviética como a proverbial Fênix.

A recuperação da Rússia se deve em grande parte aos esforços de um homem – Vladimir Putin. Ele entrou em guerra contra os oligarcas russos (os oportunistas que compraram as ruínas da União Soviética por quase nada e se tornaram bilionários). Putin lutou com o controle da Rússia dos oligarcas (a maioria deles exilou-se) e seu próximo objetivo era “tornar a Rússia grande novamente”. O que ele fez. Isso, é claro, gerou a ira dos neoconservadores. Uma poderosa Rússia dominando a massa da Eurásia foi o pior pesadelo. E havia pior por vir.

O capitalismo sempre gravita para onde pode encontrar o trabalho mais barato. Portanto, as empresas americanas vieram para a China, para se instalar lá e exportar seus produtos manufaturados chineses de volta para a América e para o mundo em geral. Eventualmente, isso teve o efeito de tornar a China ‘ótima novamente’. Então, agora havia duas potências em ascensão na massa terrestre da Eurásia. E havia pior por vir.

Tradicionalmente, a China e a Rússia têm sido rivais e inimigos (eles até travaram guerras de fronteira nos anos 60). No entanto, a doutrina neo-con / Wolfowitz determinou que tudo deve ser feito para impedir que as nações se levantem para desafiar o domínio americano. Portanto, os Estados Unidos têm sancionado a Rússia econômica e financeiramente e ameaçam fazer o mesmo com qualquer nação ou empresa que não cumpra essas sanções (algo semelhante está acontecendo com a China, com as guerras comerciais iniciadas por Trump. Mas sancionar a China é quase impossível porque investimento americano na China).

Portanto, a oposição neoconservadora à Rússia e à China resultou em unir a China e a Rússia. Eles reconciliaram suas diferenças e se tornaram aliados e parceiros de negócios. Por exemplo, a Rússia acaba de concluir gasodutos para a China. A maior parte dessas atividades comerciais e comerciais é realizada em suas próprias moedas nacionais, e não em dólares americanos. E havia pior por vir.

Em oposição ao mundo unipolar dos Estados Unidos, China e Rússia estão tentando ativamente criar um mundo multipolar. Em cooperação com o Brasil, Índia e África do Sul, eles formaram uma aliança frouxa chamada BRICS. Isso não é apenas diplomático, mas também econômico e financeiro (os BRICS estabeleceram o Novo Banco de Desenvolvimento juntos). A China também criou instituições de investimento como o Silk Road Infrastructure Fund e o Asian Infra Investment Bank. Essas instituições de investimento vão operar em oposição ao Wold Bank e ao Fundo Monetário Internacional (ambos dominados pela América). E até alguns dos aliados ocidentais dos Estados Unidos aderiram a essas instituições de investimento chinesas. Mas havia pior por vir.

Em 2013, o governo chinês anunciou a iniciativa One Belt One Road – um projeto de investimento em infraestrutura que envolve 70 países. Finalmente, o cenário de pesadelo inicialmente previsto pelos britânicos estava prestes a se concretizar, pelo qual a massa terrestre da Eurásia seria unificada por uma rede ferroviária rápida da China à Europa Ocidental. A unificação da massa terrestre da Eurásia por via férrea é o cinto. O cinturão deve ser projetado ainda mais no mundo ao ser conectado aos portos que conectarão a Eurásia ao resto do mundo – essa é a estrada (uma estrada marítima). Todos os negócios e transações realizadas através dessa rede serão realizados em moedas diferentes do dólar americano. Assim, se esta nova rota da seda for concluída, o centro do mundo será a Eurásia e não a América do Norte. A 21 st Century será a China e século da Rússia, e não dos Estados Unidos.

É por isso que Pepe Escobar está correto (veja a citação acima). Está chegando um confronto. Já está acontecendo (veja notas extras abaixo). É por isso que a Rússia está sendo constantemente sancionada e demonizada. É por isso que há constantes guerras, problemas e conflitos na massa da Eurásia (Iraque, Síria, Afeganistão, Iêmen, Irã, Ucrânia etc.). O novo grande jogo já começou…

Deus abençoe, Bruce Telfer.

Nota extra: Há um aumento palpável das tensões entre as nações. A maior parte dessa tensão é gerada pela rivalidade sobre a massa terrestre da Eurásia. Essa tensão se espalha em todos os aspectos da vida. Por exemplo, no mundo dos negócios, há um enorme conflito sobre quem vai construir a nova rede 5G. A empresa chinesa Huawei, geralmente é preferida em todo o mundo pela qualidade ao preço mais barato, mas isso é inaceitável para os Estados Unidos. Recentemente, Donald Trump foi gravado gritando por telefone ao primeiro-ministro britânico sobre a decisão da Grã-Bretanha de usar a Huawei.

Outro exemplo são as guerras de oleodutos. A Europa Ocidental é totalmente dependente do gás russo, que costumava entrar em gasodutos em toda a Ucrânia. Mas porque a Ucrânia se tornou um parceiro não confiável, a Rússia construiu oleodutos que atravessam a Ucrânia através do Mar Negro para a Turquia (e de lá para a Europa), e através do Mar Báltico para a Alemanha. Os Estados Unidos sancionaram a empresa que construiu o oleoduto do Báltico e a empresa (Allseas) cumpriu e abandonou o projeto devidamente. A Rússia prometeu concluí-lo.

Nota extra: O recente aparecimento do surto de coronavírus na China tem algo a ver com esse confronto geopolítico? Quando se reconhece que esse vírus é uma arma biológica projetada, a resposta é obviamente sim! Pesquisadores da Universidade de Cambridge, Inglaterra, declararam que: “O mundo deve se preparar para armas biológicas que visam grupos étnicos baseados na genética”. Fonte: https://www.telegraph.co.uk/science/2019/08/12/world-must-prepare-biological-weapons-target-ethnic-groups-based/

Isso já aconteceu? O coronavírus é uma arma biológica projetada? Pesquisadores, na Índia, provaram que o vírus HIV foi inserido no coronavírus (também vírus da gripe e vírus SAR). Isso só poderia ter sido feito artificialmente. Mas eles não afirmam que seja específico da etnia (mas outros o fazem). Fontes sobre o Coronavírus: Ver vídeo banido aqui https://banned.video/watch?id=5e3b1a7c259a4a001cd8db67 e os dois vídeos abaixo.

A Desobediência Civil e a Inspiração

A Desobediência Civil e a Inspiração

A recusa de cooperar com o governo foi a base para o movimento liderado por Gandhi, na Índia, em meados do século XX. Esse princípio foi posteriormente usado pelos negros no sul dos EUA para acabar com a segregação contra eles, liderados pelo pastor protestante Martin...

WhatsApp chat