Hal Butler em uma série de 4 partes: Parte 1, parte 2, parte 3, parte 4

A liderança atual da Igreja e a importância dos membros leigos

No Concílio Anual da Conferência Geral no outono passado, quando o item da agenda de Conformidade da Igreja estava sendo discutido, ficou muito claro como a maioria dos administradores da Igreja norte-americana se sentia em seguir as ações previamente votadas da Conferência Geral. Se minha memória não me falha, apenas um administrador da Igreja entre muitos, de qualquer uma das associações, uniões ou divisão na América do Norte, falou a favor de seguir as ações votadas da Conferência Geral.

Isso é muito significativo, basicamente com toda uma divisão de administradores da Igreja se rebelando contra a Conferência Geral. Não estou dizendo que cada administrador da Igreja na América do Norte seja rebelde. Alguns podem ter escolhido simplesmente não falar contra seus colegas administradores, mas esse tipo de líder não está fazendo muito bem à Igreja por não se levantar e ser contado, e eles podem até estar causando danos.

Sabemos que estamos vivendo no fim dos tempos, e sabendo o que a Bíblia e o Espírito de Profecia nos dizem que acontecerá com alguns/muitos de nossos líderes da Igreja, essas circunstâncias não devem ser uma surpresa para nós. Alguns podem não querer admitir que a Igreja está enfrentando sérios desafios à sua autoridade, mas a negação não vai mudar o fato de que a Igreja está com problemas potencialmente sérios. Em alguns casos é muito difícil para nossos membros leigos saber quais líderes são “verdadeiros e confiáveis” e quem não é. Às vezes é muito óbvio, mas geralmente não é. É triste que nossos membros leigos precisem desconfiar de nossos líderes da Igreja, mas temo que, nos tempos em que vivemos, tenhamos que aceitar essa realidade sombria. Também precisamos reconhecer que as coisas não vão melhorar, apenas piorar.

Então, onde isso deixa nossa membresia leiga? Temos que continuar a apoiar a Igreja onde e sempre que possível. Nossos líderes “fiéis” precisam de nosso apoio mais do que nunca, mas quando ficar claro que nós, como membros leigos, estamos vivendo em uma área geográfica da Igreja onde a liderança não é fiel à Igreja em geral, acho que teremos que juntar-nos a outros membros “fiéis” de mentalidade semelhante e depender uns dos outros, liderando a Igreja em nossas áreas onde e como for possível. Acho que nenhum de nós tem certeza de como tudo isso vai funcionar, mas precisamos estar dispostos a ser guiados pelo Senhor de maneiras que normalmente não pensaríamos em fazer as coisas.

Vamos olhar para os leigos da Igreja em vez dos líderes da Igreja. O que é a Igreja Adventista do Sétimo Dia? São cerca de 21 milhões de membros leigos em todo o mundo – com suas práticas e crenças fundamentais, ou é a estrutura adventista organizada de associações, uniões, divisões e Conferência Geral, com seu complexo sistema de constituição, estatutos, políticas, Manual da Igreja e seus resultantes? Sistema de administração? Ou ambos?

Idealmente, precisamos uns dos outros, mas eles são de igual importância? A Igreja organizada não poderia funcionar sem os membros leigos. Não seria uma Igreja. É interessante notar que as congregações adventistas locais não tinham uma estrutura de Igreja organizada no início de sua história e a Sra. White nos diz que não haverá uma no final dos tempos. Acho que não há dúvida de que o corpo de Cristo são os membros leigos. Eles são o núcleo da Igreja, mas sua missão é reforçada pela organização. Os membros e a organização são importantes, mas desempenham papéis diferentes. Em última análise, são os membros que irão para o céu, não a organização.

O que é um membro leigo?

De acordo com o dicionário, é um membro não clérigo de uma igreja, não sendo empregado pela igreja. Os pregadores leigos são considerados leigos, não clérigos. Quando você olha para a história, não havia um sistema organizado de clero por milhares de anos. Não existia até que Deus começou o serviço do sacerdócio/santuário, após o Êxodo, e só foi necessário porque Seu povo havia se esquecido Dele e precisava ser ensinado sobre o plano de salvação novamente. Se o povo de Deus tivesse sido fiel, talvez não houvesse necessidade desse sistema organizado de sacerdotes.

A igreja cristã não teve um clero organizado nos primeiros séculos, até que a emergente Igreja Católica se fundiu com o paganismo e desenvolveu seu sacerdócio, mantendo seus leigos suprimidos por muitos séculos. Os reformadores se rebelaram contra esse sistema corrupto de clero, mas acabaram com seus próprios clérigos organizados que acabaram apostatando. A Igreja Adventista primitiva inicialmente não era uma Igreja formalmente organizada com um clero pago. Ele só teve pregadores leigos por décadas, e inicialmente resistiu a ter qualquer tipo de estrutura organizada da Igreja.

Se você pensar sobre a história da Bíblia, parece que o povo de Deus estava melhor quando eles eram liderados diretamente por Deus, e que havia uma tendência para mais problemas quando eles eram liderados por um grupo organizado de líderes religiosos. Talvez quando não há organização para onde ir, os membros leigos dependam mais de Deus. O Diabo parece ter sido capaz de eventualmente corromper todos os sistemas de clérigos da Igreja, ao longo da história. Ele sabe que se controla os líderes, é capaz de controlar os membros leigos.

Acredito que nossa organização da Igreja foi divinamente inspirada e é importante para a missão de nossa Igreja. Não teríamos sido capazes de desenvolver o programa missionário mundial, os sistemas de educação e saúde, ou o trabalho editorial que temos hoje, sem ele. A organização é importante, necessária e faz parte do plano de Deus. Deus é um Deus de ordem e o céu é organizado. Não se engane, porém, nossa Igreja organizada está sob ataque e precisa do apoio e orações de nossos fiéis membros leigos agora, mais do que nunca.

A Organização Adventista

Hoje, a Igreja Adventista tem um sofisticado sistema organizado de clero, com um processo de administração que eles próprios dominam. O sistema tem alguma representação leiga menor, felizmente. Que papel os membros leigos desempenham em ajudar os aspectos organizacionais da Igreja? Não é um papel direto importante, mas eles são de importância fundamental para a sobrevivência geral da Igreja.

Primeiro, vejamos alguns exemplos da importância dos membros leigos na Bíblia e na história da Igreja. Todos os patriarcas do Antigo Testamento eram leigos. A maioria, se não todos, dos profetas eram leigos. No Novo Testamento, continua. Você pode não concordar comigo, mas Jesus era um leigo. Ele não foi educado pelos líderes religiosos judaicos organizados nem trabalhou para a organização deles. Ele era carpinteiro/faz-tudo.

Depois de iniciar Seu trabalho missionário, Ele era um líder religioso leigo itinerante que fazia muito mais ensino e cura do que pregação. Ele não era apenas um leigo, Ele era considerado o inimigo pelos líderes religiosos organizados da época. Todos os discípulos de Jesus eram leigos. Após a morte e ressurreição de Jesus, eles formaram um conselho de líderes leigos para guiar a jovem Igreja em evolução. O apóstolo Paulo é a única pessoa daquela época que você pode argumentar que era um ministro/evangelista em virtude de sua educação e treinamento religioso formal. No entanto, isso não era necessariamente sempre um trunfo. Ele tinha um ofício para se sustentar, então ele era realmente mais um pastor leigo itinerante auto-sustentável com um ministério independente. Os valdenses e huguenotes eram leigos. A Igreja Adventista foi iniciada por leigos.

Em contraste, hoje nos EUA, nossas igrejas adventistas são lideradas por pastores empregados que se tornaram clérigos “profissionais” muito educados, que consideram sua principal responsabilidade pregar no sábado, particularmente em igrejas maiores. Algumas igrejas menores nem sequer têm um pastor em tempo integral, mas compartilham um pastor com uma ou duas outras igrejas. Conseqüentemente, muitas vezes os deveres pastorais em algumas igrejas cabem aos membros leigos. O apoio financeiro da Igreja é inteiramente dos leigos. A maioria dos ministérios pessoais da Igreja, estudos bíblicos, evangelismo comunitário, etc., são realizados por membros leigos.

Essas atividades levam direta ou indiretamente à maioria dos batismos. Não haveria Igreja sem nossos leigos. No entanto, curiosamente, acima do nível da igreja local, os leigos desempenham apenas um papel menor na Igreja organizada. A voz deles é muito limitada.

Não parecemos ser colaboradores da Igreja organizada, mas parece haver uma situação de nós e eles, com “eles” no comando. Os leigos parecem ser cidadãos de segunda classe na estrutura organizada da Igreja. Acima do nível da igreja local, os leigos desempenham apenas um papel menor no processo de tomada de decisão da Igreja organizada.

Como resultado das recentes atividades incomuns da liderança da Igreja na Igreja, nossos membros leigos estão pedindo ação. Um lado está querendo que suas entidades da Igreja se separem da Conferência Geral, enquanto outros dizem que os administradores rebeldes da Igreja precisam ser removidos do cargo. Ações votadas recentes e o processo de administração existente descrito nas políticas atuais da Igreja acabarão por lidar com essas questões. Nossos leigos precisam orar por nossos líderes “fiéis” da Igreja e apoiar seus esforços para defender as crenças tradicionais de nossa Igreja que estão sob ataque.

Como a Igreja administra a si mesma não é um assunto muito interessante para muitas pessoas, mas devido à forma como a autoridade da Igreja está sendo desafiada nos dias de hoje, e o descumprimento das políticas e doutrinas da Igreja, a administração da Igreja está se tornando muito mais relevante. Com vários líderes rebeldes da Igreja ocupando posições-chave de administração, nossos “poucos fiéis” representantes leigos nesses comitês administrativos são mais importantes do que nunca. Na verdade, eu diria, precisamos de mais deles.

Igreja Local e Administração da Associação

Sou leigo e tive o privilégio de servir em distritos eleitorais, comitês executivos e comitês de nomeação nos níveis da igreja local, Associação, União, Divisão e Conferência Geral. Enquanto crescia, meus pais trabalharam na administração da Igreja. Consequentemente, tive décadas de exposição a como a Igreja administra a si mesma. Também fiz aulas de administração que incluíam princípios de administração.

Grande parte da estrutura de administração de nossa Igreja foi estabelecida por nossos pioneiros, e acredito que foi divinamente guiada. Essa estrutura está descrita na Constituição e Estatutos da Igreja e no Manual da Igreja. Felizmente, essas políticas e procedimentos administrativos só podem ser alterados em uma Sessão da Associação Geral, refletindo assim sua importância. Ao longo dos anos, no entanto, à medida que a Igreja cresceu e se tornou mais complexa, seu processo de administração evoluiu gradualmente com algumas maneiras “tradicionais” de fazer as coisas, com acréscimos e exclusões ocasionais que nem sempre são claramente declarados nas políticas. Isso pode ser problemático.

Quando você estuda administração em geral, você vê que a maioria das organizações não privadas tem um processo de administração que inclui alguma forma de constituinte. No mundo corporativo, o eleitorado seriam os acionistas. Eles elegem o conselho de administração e seus diretores corporativos. Os dirigentes eleitos pelos constituintes, no entanto, geralmente não são membros de seu conselho/comitê de administração, devido a um potencial conflito de interesses. Um diretor, que é funcionário da corporação, pode influenciar decisões do conselho que podem ser do seu interesse, mas não necessariamente do melhor interesse da empresa como um todo e de seus acionistas. Essa separação do comitê de administração da administração empregada é uma rede de segurança de “freios e contrapesos”.

Em um ambiente de igreja, os constituintes são os membros, que embora não possuam literal ou legalmente todos os prédios da Igreja etc., eles – falando na prática – são donos da Igreja, porque elegem suas juntas e oficiais locais. Lembre-se, os ministros/oficiais das organizações da Igreja são funcionários da Igreja, não proprietários. Acho que os funcionários da Igreja às vezes sentem que são donos da “Igreja” porque a organização legal da Igreja para a qual trabalham possui legalmente os prédios.

Na Igreja Adventista, administração acima do nível da igreja local, nossos constituintes/diretorias/comitês, na maioria dos casos, não são o ideal porque o comitê administrativo é composto principalmente por funcionários da igreja e alguns membros leigos, em vez de leigos. membros sozinhos. A porcentagem da mistura de membros leigos/funcionários da Igreja varia nos diferentes níveis da organização da igreja. Este equilíbrio ou em equilíbrio seria muito significativo. Veremos isso com mais detalhes posteriormente.

Alguns podem pensar que ter muitos funcionários nos comitês da Igreja faria sentido, já que os funcionários deveriam saber mais sobre uma organização e como administrá-la. Infelizmente, os funcionários têm o maior potencial para um conflito de interesses. Por outro lado, os membros que não são funcionários de conselhos/comitês são mais propensos a tomar decisões imparciais e sem emoção que são do melhor interesse de uma organização. Não há nenhum benefício para eles pessoalmente pelas decisões que tomam. Conseqüentemente, muitos grandes conselhos corporativos têm apenas um funcionário que é membro de seu conselho de administração. Esse indivíduo geralmente é o CEO da organização que provavelmente atua como secretário do conselho. Em consulta com o presidente não funcionário, eles definiriam a agenda para as decisões a serem tomadas pelo conselho.

Como esses princípios são aplicados à administração da Igreja Adventista?

Varia nos diferentes níveis da Igreja. No nível da igreja local, o princípio de ter poucos funcionários no conselho da Igreja é o ideal. O eleitorado da igreja local é composto por todos os membros leigos da igreja local. Os membros escolhem um pequeno grupo para decidir quem nomeará os oficiais da igreja, chamado de comitê de nomeação. A comissão de nomeações recomenda os oficiais da igreja aos membros, para serem votados. O conselho é composto por membros leigos representativos do grupo de oficiais da igreja. O único funcionário da organização da Igreja no conselho, na maioria dos casos, seria o pastor, com todos os outros sendo membros leigos. Às vezes o pastor é o presidente, mas em igrejas maiores o presidente pode ser um membro leigo, o que é ainda melhor.

O nível da Associação, em geral, também é bastante bom em seus conselhos/comitês. Seu eleitorado é composto principalmente de representantes de membros leigos, que são escolhidos por cada igreja local na Associação. A reunião do círculo eleitoral é presidida pelo seu Presidente da União, que deve ser neutro no processo eleitoral. Na minha opinião, um presidente melhor seria um presidente de um sindicato diferente, ou melhor ainda, um membro leigo de um sindicato diferente, que não tem interesse em quem está sendo eleito. O constituinte da Associação escolhe os oficiais da Associação e seu comitê executivo de administração votando em nomes trazidos a eles por um comitê de nomeação. O eleitorado não sugere nomes para cada cargo do plenário da reunião do eleitorado como você poderia esperar, mas usa um comitê de nomeação. Isso não é incomum em organizações sem fins lucrativos. A Igreja Adventista usa o modelo de comissão de nomeação em cada nível de organização da igreja. A composição do comitê de nomeação, membro leigo versus funcionário da igreja, varia nos diferentes níveis da Igreja. O processo do comitê de indicação é um pouco confuso para muitos membros entenderem e não é perfeito.

Alguns acham que seria melhor nomear os dirigentes diretamente do plenário, e eles não estariam totalmente errados, mas as indicações do plenário não estão isentas de seus próprios problemas, especialmente com um grande grupo de indivíduos, como reuniões eleitorais. Em geral, o conceito de um comitê de nomeação composto por representantes do eleitorado geral, que sugere os nomes dos oficiais da Associação e membros do comitê executivo ao grupo constituinte total, para ser votado a favor ou contra, é aceitável em teoria. Infelizmente, o atual processo de nomeação/eleição da Igreja deixa espaço para politicagem e influência de votos. O diabo está nos detalhes, como dizem, sem trocadilhos. Vou explicar.

 Para começar, quem decide a composição do comitê de nomeação que tem a tarefa muito importante de recomendar os nomes dos futuros dirigentes etc., ao eleitorado? Não se esqueça de que a eleição dos dirigentes é o principal trabalho da assembleia. Como mencionado anteriormente, os dirigentes não são escolhidos no plenário da assembleia, mas são escolhidos por um comitê de nomeação. Bem, o comitê de nomeação não é escolhido no plenário da reunião do eleitorado, como se poderia pensar. Você pode ver porque é confuso para alguns.

Os membros da comissão de nomeação são muitas vezes nomeados pela comissão executiva da Associação e iniciam o seu trabalho vários dias antes da reunião geral do eleitorado. A ideia é que escolher o comitê de indicação e deixá-lo iniciar seu trabalho com antecedência tornará o processo eleitoral mais rápido e eficiente. O aspecto de economia de tempo pode ser verdade, mas os oficiais da Associação desempenhando qualquer papel na escolha dos membros do comitê de nomeação que potencialmente se nomearão como oficiais, é um conflito de interesse definitivo e direto! Alguns podem argumentar que os constituintes podem não conhecer as melhores pessoas para fazer parte do comitê de indicação, então é melhor que a Associação decida. Eu não acredito nisso. Acho que precisamos dar mais crédito aos nossos constituintes leigos.

O comitê de nomeação idealmente deve ter um leigo como presidente, escolhido entre os membros do comitê de nomeação. Mesmo que seja esse o caso, o presidente do sindicato que lidera a reunião do eleitorado também está fortemente envolvido com o comitê de indicação. Isso tem um potencial significativo de conflito de interesses, se o presidente da União quiser que “seu homem” seja eleito.

Para ilustrar, eu estava uma vez em um comitê de indicação de um eleitorado da União, onde estávamos discutindo o nome de um oficial que estava sendo considerado para reeleição. Fui fortemente repreendido pelo Presidente do Sindicato, que acabara de ser reeleito e estava reunido com a comissão de indicação. O presidente da divisão era o presidente. Eles estavam tentando conseguir outro oficial que estava sendo discutido, reeleito, e eu estava levantando algumas questões legítimas sobre esse indivíduo. Eles não queriam meus comentários ou discussão, então me cortaram. Eles queriam que seguíssemos sua recomendação. Isso foi um conflito de interesse direto. Eles nem deveriam estar na sala, na minha opinião. A razão é que, no nível do Sindicato, muitos dos membros do comitê de indicação do Sindicato são funcionários oficiais da Igreja das Associações locais,

Um bom e velho clube de meninos?

O presidente do sindicato, que tecnicamente é o chefe dos funcionários da Igreja no comitê de indicação, estava dizendo a eles em quem votar. Quantos oficiais da Associação no comitê você acha que vão falar contra o chefe deles, se ele estiver na sala? O presidente do Sindicato nem é membro da comissão, mas por respeito, ele pode se reunir com a comissão, uma vez eleito. Ele deve apenas compartilhar seus pensamentos com o comitê de indicação, mas isso nem sempre acontece. Não ajudava que o Presidente da Divisão fosse o presidente do comitê de indicação do Sindicato e estivesse concordando com o Presidente do Sindicato. Eles muitas vezes querem que os mesmos oficiais sejam reeleitos sem olhar para outros candidatos viáveis, que podem fazer um trabalho melhor. O grupo de oficiais da Igreja, às vezes.

Quando o comitê de nomeação se reúne no início da reunião do eleitorado, a primeira ordem do dia é o desenvolvimento de uma lista de nomes para um presidente em potencial. O comitê de nomeação reduz a lista a um nome, que é apresentado ao eleitorado para votar a favor ou contra. Uma vez eleito um presidente, conforme mencionado acima, ele se reunirá com a comissão de indicação, expressando suas opiniões sobre os nomes restantes para cargos a serem preenchidos naquele dia.

Eu era um membro de uma reunião do constituinte da Associação anos atrás, quando um indivíduo responsável por projetar os recursos audiovisuais para a reunião, acidentalmente e muito prematuramente, projetou uma lista de membros do comitê executivo e oficiais da Associação na tela. A lista deveria ter sido projetada no final do dia após o término das eleições, mas, ironicamente, a votação ainda não havia começado. Em outras palavras, o comitê/oficiais de nomeação estavam tão acostumados com o carimbo eleitoral do eleitorado que obviamente tinham certeza de que seriam eleitos, que fizeram essa lista antes mesmo de a votação começar. Não tenho certeza se vejo como o Espírito Santo deve ter uma oportunidade de trabalhar nos corações dos constituintes neste cenário. É interessante notar que mais tarde naquele mesmo dia, o Presidente da União, que lidera as reuniões do eleitorado da Associação, forçou o grupo constituinte a reeleger um oficial, que o grupo havia votado no início do dia para não reeleger. O presidente os convenceu a votar novamente e reverter sua decisão anterior.  Curiosamente, no final do dia, a lista final de diretores e membros do comitê executivo acabou sendo exatamente como a pessoa audiovisual havia projetado acidentalmente no início da reunião, antes do início da votação. Um comentário triste sobre os dias de trabalho. O presidente da União conseguiu o que queria, não o que o eleitorado queria. Há momentos em que os membros leigos precisam se levantar e fazer objeções respeitosamente, não sendo intimidados pelos administradores da Igreja.

O Comitê Executivo

O próximo no processo de administração é o comitê diretivo, o comitê executivo da Associação, que toma as decisões importantes para a Associação entre as reuniões dos constituintes. Os estatutos da Igreja declaram que os oficiais da Associação servirão em seu próprio comitê executivo da Associação, em virtude de sua posição, ex officio como eles chamam, e com o presidente sendo o presidente e o secretário executivo da Associação, sendo o secretário do comitê. Entre o presidente e o secretário, eles têm o controle quase completo do que está na agenda a ser apresentada ao comitê executivo da Associação para votação. O controle de qualquer agenda, em qualquer organização, é um dos usos mais poderosos da autoridade. Se você duvida disso, basta olhar para o Congresso dos EUA e o abuso de poder dos vários presidentes de comitês que controlam o que será votado pelos membros do Congresso. Nossos membros leigos quase não têm como influenciar o que vai na agenda dos comitês executivos em qualquer nível da Igreja. Na minha opinião, haveria muito menos conflito de interesses na administração da Igreja, se um indivíduo neutro de fora da organização da igreja, um funcionário de fora da igreja, um leigo, fosse o presidente do comitê executivo e o presidente fosse o secretário da comissão. Haveria então alguma forma de freios e contrapesos. haveria muito menos conflito de interesses na administração da Igreja, se um indivíduo neutro de fora da organização da igreja, um funcionário de fora da igreja, um leigo, fosse o presidente do comitê executivo e o presidente fosse o secretário do comitê . Haveria então alguma forma de freios e contrapesos. haveria muito menos conflito de interesses na administração da Igreja, se um indivíduo neutro de fora da organização da igreja, um funcionário de fora da igreja, um leigo, fosse o presidente do comitê executivo e o presidente fosse o secretário do comitê . Haveria então alguma forma de freios e contrapesos.

Os estatutos afirmam que, além dos oficiais serem o presidente e o secretário do comitê, o restante dos membros do comitê executivo da Associação deve ter um diretor departamental da Associação e um representante da instituição da Associação, com o restante sendo outros funcionários da igreja e membros leigos. Os comitês da Associações em que participei tiveram vários pastores de igrejas locais, que são ainda mais funcionários da Igreja. Os estatutos afirmam que, quando possível, deve haver um equilíbrio entre os funcionários da igreja e os membros leigos no comitê executivo. Acho que eles tentam fazer isso, mas seria muito melhor se a grande maioria de todo o comitê, por política, fosse de membros leigos.

 

E se a administração da nossa Igreja tivesse mais representação leiga?

 

Imagine comigo por um momento – se nossos comitês/conselhos de administração da igreja fossem presididos por um membro leigo e uma clara maioria dos membros fossem representantes leigos, com muito poucos membros funcionários da Igreja. Quão diferente as coisas seriam feitas sem conflito de interesses?

Os líderes da igreja argumentariam que os membros leigos não conhecem os problemas da Associação e como a igreja opera, então eles não seriam capazes de entender algumas das razões que eles têm para querer votar alguns itens da agenda, e que os membros leigos não sabem o que é melhor para a  Associação, etc.

Os líderes da igreja argumentavam que estariam constantemente interrompendo as reuniões e explicando coisas aos membros leigos se os funcionários não controlassem os comitês. Acho que isso é um insulto significativo para os muitos membros leigos muito capazes da Igreja Adventista. Se os membros não entendem a Igreja, sua estrutura e seus problemas, de quem é a culpa? Não é dos membros leigos. Se a Igreja comunicasse melhor quais eram seus problemas, pedisse a opinião dos membros, envolvesse mais os membros leigos e lhes dissesse o que estava pensando em fazer, os membros estariam mais bem informados e investidos nas decisões da Igreja. Se os argumentos dos líderes da Igreja são verdadeiros, então como muitas grandes empresas como a General Motors podem operar com sucesso seus conselhos de administração com apenas um funcionário em seu conselho e os outros membros do conselho não sendo funcionários fora da indústria automobilística? com pouco ou nenhum conhecimento de fabricação de automóveis? Nossas diretorias da Igreja devem ter um oficial da Igreja que seja capaz de apresentar os problemas que a Igreja está enfrentando, nomeado para o comitê.

A Igreja Pós-Apostólica

Na Igreja Cristã primitiva, os membros leigos eram escolhidos pelos Apóstolos para ajudar nas atividades da Igreja. Isso foi para liberar os Apóstolos do trabalho rotineiro da Igreja, permitindo-lhes cuidar da missão evangelística mais importante da Igreja.

A Sra. White tem pensamentos semelhantes em seus escritos sobre ter não-ministros cuidando dos “negócios” da Igreja, para que os pastores possam gastar seu tempo em atividades evangelísticas. Acho que a Igreja hoje faria bem em seguir a prática de dar mais responsabilidades aos nossos membros leigos, para que o ministro pudesse se concentrar nas questões teológicas/religiosas/pastorais na Igreja. Pastores não são automaticamente bons administradores da Igreja.

Já vi vários pastores de Igreja muito bem-sucedidos que se tornaram maus administradores da Igreja. Eu não concordo com a mentalidade da Igreja de que você tem que ser um ministro ordenado para ser um administrador da Igreja. Há muitos leigos dedicados da Igreja que são administradores muito talentosos que podem ser um grande benefício para a igreja em cargos de liderança.

Gostaria de continuar esta linha de pensamento para nos fazer “pensar fora da caixa”, como se costuma dizer.

Como seria se não apenas nossas juntas e comitês fossem controlados pelos membros leigos, mas a administração da Igreja não fosse dominada apenas pelo ministro ordenado.

Tesoureiros da Igreja

Um bom exemplo em nossa atual administração da Igreja é que, finalmente, nossos oficiais de tesouraria da Igreja ocupam esses cargos porque são bem treinados e educados no campo da contabilidade e finanças, não porque são ministros ordenados em primeiro lugar, como tem sido o caso no passado.

A ordenação é necessária para uma liderança competente?

Então, por que o secretário executivo e até mesmo o presidente precisam ser ministros ordenados? A igreja ficou tão grande e complicada, que é preciso habilidades excepcionais para fazer bem esses trabalhos. Quando olho para a riqueza de conhecimento e experiência de nossos membros leigos, muitas vezes me pergunto como seria se um desses membros leigos tão bem-sucedidos se tornasse um oficial da Igreja. Agora, é verdade que eles tecnicamente deixariam de ser leigos se ocupassem um desses cargos e fossem pagos por isso, porque se tornariam funcionários da Igreja, mas não seriam do típico fluxo ministerial, formação, processo e pensamento que nós tem agora.

A Sra. White fala sobre a segurança na administração de nossa Igreja por ter muitos, em vez de poucos, tomando decisões, e também por ter uma diversidade de antecedentes naqueles que tomam as decisões.

A administração da nossa Igreja é dominada tanto em número quanto em tipos de cargos pelos ministros. Não só precisamos de mais membros leigos em nossos comitês, mas por que não ter mais diversidade de formação em nossos cargos administrativos da Igreja também? Os ministros são obviamente essenciais para uma igreja, particularmente os aspectos religiosos/teológicos, mas o ministro não necessariamente ocupa um lugar no mercado por ser dedicado, talentoso, religioso, amante da Igreja, não mais do que um membro leigo.

Eu sugeriria que alguns membros leigos são mais religiosos, talentosos e dedicados à Igreja Adventista do que alguns de nossos ministros ordenados. Não estou dizendo que os ministros são administradores intrinsecamente ruins, porque alguns são excelentes administradores. No entanto, não acho que um indivíduo deva ser eliminado da consideração de um cargo administrativo da Igreja, apenas porque não é um ministro. Devemos encontrar as melhores pessoas em nossa Igreja, leigos ou ministros, para liderar a Igreja nestes tempos críticos.

Pela minha experiência, devo dizer que a maioria, não todos, os administradores da igreja desejam que os membros leigos sigam o que eles recomendam, sem questionar. Às vezes somos vistos como um incômodo. Tenho certeza de que alguns preferem não ter nenhum membro leigo em seus comitês, facilitando o avanço da “sua” agenda. Naturalmente, os administradores da igreja vão querer que sua agenda seja votada, mas às vezes, porque são funcionários e estão muito próximos de algumas dessas questões, não podem ser verdadeiramente imparciais. Sua agenda pode parecer racional para eles, mas pode não ser do melhor interesse da Igreja em geral e de seus membros. Como você já deve ter adivinhado, eu não era um membro leigo que apenas votava em qualquer item da agenda que surgisse. Muitas vezes eu questionava por que, e se, etc., para ter certeza de que estávamos fazendo o melhor para a Igreja.

Um Presidente de bastante incomum com quem trabalhei em um comitê executivo da Associação realmente apreciou minhas perguntas. Ele sabia que eu estava genuinamente procurando o melhor interesse da Igreja e que eu olhava para as coisas de uma perspectiva diferente da dos oficiais. Bem, adivinhe.

Lições para aprender

Quando ele passou para um cargo no Sindicato e um novo presidente foi eleito para substituí-lo, o novo presidente não gostou do meu questionamento sobre o comitê da Associação. Lembro-me de um item da agenda, ao qual, por boas razões, me opus fortemente. O item da agenda acabou sendo aprovado pelo comitê, porque os diretores foram a favor. Poucos meses depois dessa decisão, ficou claro que essa decisão em particular era ruim. Essa decisão acabou custando à Associação uma quantia considerável de dinheiro e trazendo constrangimento para a Associação. Mais tarde, foi apontado no comitê, por um membro leigo, que o que eu havia questionado estava certo.

O presidente não gostou dessa observação. É interessante que na sessão seguinte eu não tenha sido colocado de volta no comitê executivo. O novo presidente me disse que era porque eu fazia parte do comitê há vários anos e eles queriam dar a outra pessoa a chance de servir no comitê.

Na realidade, ele queria um sim para me substituir, porque havia outros membros leigos do comitê que estavam servindo antes de mim e permaneceram no comitê muito tempo depois de mim. Tanto para sua desculpa.

Aqueles que permaneceram no comitê eram em grande parte, você adivinhou, carimbos de borracha. A questão é que um processo que permite que uma administração faça o que quer quando pode não ser do melhor interesse da Igreja, sem ter freios e contrapesos, está se abrindo para problemas.

Administração da União, Divisão e Associação Geral

O próximo nível administrativo da Igreja que veremos é a União. O processo de administração da Igreja neste nível está se tornando menos que ideal.

Os delegados à sua reunião de constituinte são escolhidos pelos comitês executivos da conferência local. Muitos desses delegados constituintes são automaticamente membros do eleitorado em virtude de sua posição na Igreja, em outras palavras, são funcionários da Igreja, ou seja, presidente da Conferência, secretário e tesoureiro de cada Conferência. Isso soma muito mais funcionários da Igreja que compõem o eleitorado da União, em comparação com o eleitorado da Conferência local, que é de cerca de 50 a 60% de membros leigos.

Os estatutos estabelecem que uma proporção justa de membros leigos deve compor o círculo eleitoral. Dependendo de como você interpreta “proporção justa”, eles podem ou não ser representados de maneira justa. Na realidade, o processo neste momento já está se tornando fortemente controlado pelos funcionários da Igreja e pelo potencial clube dos bons e velhos. A comissão de nomeação recomenda os dirigentes da União e a comissão executiva ao eleitorado para votação, semelhante ao processo de eleição da Conferência local, com os mesmos problemas inerentes. Conforme mencionado na parte dois, o comitê de indicação da União tem muitos funcionários da Igreja. O presidente da Divisão é o presidente do comitê de indicação e não um membro leigo como o presidente do comitê de indicação da Conferência geralmente é.

O comitê executivo da União, como o comitê executivo da Associação local, é controlado por seus oficiais, com muitos administradores da Igreja da Associação que compõem seus membros, juntamente com uma variedade adicional de funcionários da Igreja e alguns membros leigos.

Divisão

O próximo nível é a Divisão. A Divisão não é tecnicamente um nível separado da Igreja, mas sim uma “divisão” da Conferência Geral. Os oficiais da Divisão não são eleitos em sua típica reunião de distrito, mas sim na sessão da Associação Geral, uma vez que fazem parte da Associação Geral.

O presidente da Divisão é simultaneamente vice-presidente da Associação Geral. Ele e os outros oficiais da Divisão são nomeados pelo comitê de nomeação da sessão da CG, o que explicarei na seção da Conferência Geral. Os membros delegados de uma Divisão para a sessão do CG tornam-se o eleitorado de fato da Divisão. Há também um comitê executivo da Divisão composto principalmente de oficiais da União e da Associação, e outros funcionários da Igreja, novamente, sendo membros automáticos em virtude de sua posição. Há alguma representação leiga no comitê da Divisão, mas não é necessário número ou porcentagem, de modo que o número de membros leigos e suas contribuições não são significativos.

Conferência Geral

Finalmente, o nível da Conferência Geral. Sua reunião constituinte é o que é referido como a Sessão da Associação Geral, realizada a cada 5 anos. O eleitorado é composto por dois tipos de delegados à Sessão do CG, delegados regulares e delegados gerais. Há 400 delegados regulares, compostos por administradores da Igreja do grupo de dirigentes da Associação/União, em virtude de sua posição. Todo sindicato tem representação independente do tamanho. Não há membros leigos nesta categoria.

Além desses 400 delegados regulares, cada União recebe delegados regulares adicionais de acordo com o número de membros de sua União, com base em uma fórmula. Basicamente, os sindicatos maiores recebem mais delegados e os sindicatos menores têm menos delegados. Esses delegados são principalmente algum tipo de funcionário da Igreja, pastor, professor, administrador de hospital, etc. Membros leigos também podem ser escolhidos para este grupo de delegados. Este é o maior grupo de delegados.

O segundo grupo de delegados é o de Delegados Gerais, com 300 membros. Esses delegados são compostos por todos os membros do comitê executivo do CG (CG/Divisão/oficiais, presidentes de sindicatos e chefes de departamento/instituição/organização do CG), associados departamentais do CG, 20 funcionários do CG e 20 indivíduos de cada Divisão que são compostos de outros funcionários da Igreja e membros leigos. 25% da delegação total da Divisão deve ser composta por representantes leigos. Há quase 2.600 delegados de todos os tipos no total, com cerca de 15% sendo leigos.

Na sessão do CG, os oficiais do CG, diretores e associados departamentais e organizacionais são eleitos por meio de um processo de comitê de indicação que envia um nome por cargo aos delegados constituintes para votar a favor ou contra. O processo de seleção do comitê de indicação é um pouco diferente em uma sessão da CG. Cada divisão tem um caucus de todos os seus delegados no início da Sessão, para escolher seus representantes para o comitê de nomeação. 10% de seus delegados estarão automaticamente no comitê de indicação. A Conferência Geral também escolhe 8% de seus delegados para fazer parte do comitê de nomeações. Nenhum delegado atual da Divisão ou da CG que esteja em posição de eleição pode fazer parte do comitê de nomeação. Isso é bom.

A última Sessão teve 252 delegados na comissão de nomeações, 233 das Divisões e 19 do CG. O comitê de nomeação escolhe seu próprio presidente com orientação do CG. Na minha opinião, o processo de escolha dos membros do comitê de indicação da Sessão da AG é o melhor dos níveis organizacionais. É decidido pelo círculo eleitoral e não por um comitê administrativo. A composição dos membros da comissão de nomeações é, no entanto, predominantemente de funcionários da igreja com muito poucos membros leigos. Nenhum número ou porcentagem de membros leigos é exigido pela política. O presidente é um funcionário da Igreja.

Comitê Executivo da CG

O Comitê Executivo da Associação Geral, que se reúne oficialmente duas vezes por ano no Conselho da Primavera e no Conselho Anual/Outono, é composto por oficiais da CG e Divisão, presidentes de União, chefes de departamento da CG, além de chefes de instituições e organizações da CG. Finalmente, há 3 leigos escolhidos por cada divisão mais 15-20 membros leigos escolhidos pela administração da Associação Geral, que somados são cerca de 60 membros leigos de um total de 350 membros. Novamente cerca de 15% de representação leiga.

Como você pode ver, a representação leiga fica cada vez menor à medida que você sobe nos níveis de administração da Igreja, com a representação leiga não apenas se tornando menor numericamente, mas também menos significativa em termos de impacto no processo de tomada de decisão e resultado. Há também mais e mais potencial para um conflito de interesses quanto mais alto você sobe na administração da Igreja.

Como Simplificar a Estrutura da Nossa Igreja

Quando jovem, lembro-me de um estudo que meu pai fez para a Associação Geral e da apresentação de seus resultados em um Concílio Anual. O estudo envolveu o impacto que seria feito na Igreja, financeiramente e de outra forma, se a Igreja nos Estados Unidos fosse grandemente reduzida administrativamente a três uniões com uma união ocidental, central e oriental. Além disso, haveria uma universidade principal para cada união sem outras faculdades. As projeções, como você poderia imaginar, teriam economizado enormes quantias de dinheiro para a Igreja com três sindicatos e universidades fortes, em vez de vários sindicatos e muitas faculdades em dificuldades, etc.

Bem, o conceito não foi levado a sério e foi rejeitado rapidamente sem exploração. A principal razão pela qual foi rejeitado – você adivinhou – conflito de interesses.

Pode ter sido bom para a Igreja em geral e seus membros, mas não para os administradores. Se os administradores votassem por esse conceito, eles estariam potencialmente, literalmente, votando em muitos de seus empregos, então não era de seu interesse votar nele. Cada membro leigo poderia ter votado nele, mas não mudaria o resultado da votação, devido à sua pequena representação.

Uma casquinha de sorvete que lambe a si mesma

 Uma das coisas interessantes sobre nosso sistema de administração da Igreja é que o conflito de interesses inerente em todo o sistema torna quase impossível para os membros leigos mudarem as políticas da Igreja que controlam o processo. Se os membros leigos da Igreja decidissem mudar para um processo de administração com liderança leiga nos comitês administrativos e uma maioria de membros leigos em todos os comitês em todos os níveis, as políticas existentes teriam que ser alteradas e votadas. Para fazer essas mudanças, nossos membros leigos estariam à mercê dos funcionários da Igreja que dominam o processo de administração. Por causa do conflito de interesses, muito provavelmente nunca seria votado.

Atualmente, os membros leigos não têm liderança nos comitês, nenhuma contribuição para a agenda e são uma minoria do poder de voto nos comitês.

O que podemos fazer?

A administração da nossa Igreja está contra nossos membros leigos e às vezes pode ser desanimador, se você se permitir pensar sobre isso, mas não podemos simplesmente desistir. Temos que estar sempre procurando o melhor interesse da Igreja, como e onde pudermos. Temos que usar a voz que temos e usá-la de forma mais eficaz. No mínimo, nossos membros leigos devem ser capazes de decidir quem são seus próprios representantes nesses comitês, e não os administradores da Igreja que escolhem sim homens ou membros porque são amigos de alguém. Temos que pressionar a liderança da Igreja por mudanças, mesmo que não venham facilmente ou rapidamente. A oração para que o Espírito Santo mude o coração de nossos líderes é primordial.

Ao longo dos anos, nossos líderes dedicados e bem-intencionados pegaram o sistema básico de administração da época da Sra. White e o transformaram em um sistema muito complicado. Com a ajuda dos deuses, tem funcionado razoavelmente bem, apesar de algumas de suas deficiências. Alguns líderes atuais, no entanto, estão agora tentando contornar o processo de administração e plantando sementes de rebelião.

Nossos membros leigos precisam estar dispostos a enfrentar esses líderes rebeldes e se opor às suas atividades. Amamos nossa Igreja e precisamos estar dispostos a lutar por ela. Os membros leigos ainda controlam amplamente o processo de tomada de decisão da Igreja local, que é realmente o nível mais importante onde o trabalho mais significativo da Igreja é realizado. Os membros leigos ainda têm influência significativa no nível da Conferência. Vamos usá-lo, e usá-lo bem.

Conclusão

 Em conclusão, estamos vendo um número crescente de líderes infiéis usando um sistema de administração menos do que perfeito a seu favor. Nossos fiéis leigos precisam estar melhor organizados e dispostos a enfrentar esses líderes infiéis, desafiando-os. Os problemas atuais na Igreja não vão desaparecer sozinhos. As coisas só vão piorar a partir deste ponto.

Dependendo do resultado dos esforços das Conferências Gerais para trazer esses líderes rebeldes de volta ao rebanho, podemos estar à beira do que a Sra. White viu em visão, com a Igreja aparentemente caindo aos pedaços. Para ajudar a evitar isso, ela diz que a maior necessidade do mundo são as pessoas que defenderão o que é certo, embora os céus caiam. Você será um desses?

Estou convencido de que não demorará muito para que nossa amada Igreja volte a existir sem organização e nossos fiéis leigos estarão carregando a principal responsabilidade de liderar o povo escolhido de Deus, esperando o retorno de Cristo.

Jugo sem Suor

Jugo sem Suor

Dinheiro fácil em jugo desigual com os incrédulos. Especulação. O que são acões. Sociedade. Bitcoin. No suor do teu rosto comerás o teu pão.

Novidades MV – Julho 2022

Novidades MV – Julho 2022

2.42 Errata DTN 3.23 Mais GC para Bolsonaro 3.36 Pedras Guia da Geórgia 4.53 Avalanche e céu verde 6:02 Textos fake de EGW 7:29 Todos serão brancos no céu 7.52 EAD 8:33 Vara  9:02 Comer carne 10:42 Célular Fetais na Kraft e Nestlé? Senomyx 11:38 Suínos nos cosméticos?...